segunda-feira, 12 de novembro de 2018

A dança das Cadeiras!

Ela tinha o lanche preferido, a sala preferida, os colegas preferidos, a vida preferida
Tinha mais não podia escolher, tudo era-lhe imposto por alguém
Nunca era escolhido por ela
A vida ou o destino quiseram assim e assim foi
Até o dia que ela não quis mais

Ela não queria mais nada...

E perceberam que enquanto ela queria, ela estava bem, ela estava viva
Viva em um mundo de pessoas que faziam tudo no automático
Sem perceber aonde estavam se sentando
E ainda mais importante, o que estavam fazendo de suas vidas
Enquanto ela queria, ela se sentia viva
O lanche preferido, a sala preferida, os colegas preferidos
Até ela conseguir ter a vida preferida

E ela conseguiu
Não ter a vida preferida, ainda
Mas as pessoas certas que faziam da vida dela
Um lugar mais fácil para estar
Para viver
E continuar tendo seus dias preferidos
Independente de onde ela estava
Na sua cadeira preferida
Ou na sua casa!

Beijos¨*
Lü Sielskis, que é feliz aos poucos sentada na sua cadeira preferida.

Nenhum comentário: