quinta-feira, 7 de julho de 2016

Meu Castelo de Vidro!

Muita gente me pediu explicações do que aconteceu comigo esta semana. Então segue aí mais um dos meus desabafos...
Essa semana está sendo bem tensa para mim e meus colegas renais. Na segunda-feira um colega teve reação pirogênica* na máquina, enquanto dialisava. Saiu passando mal com calafrio, dor no corpo e cefaléia.  

Na terça, aos serem ligados à máquina, os pacientes começaram sentir os mesmos sintomas. Mais de 20 pacientes passando mal ao mesmo tempo. Dois foram para UTI. Eu não passei mal e estou bem graças a Deus, mas arrasada com tudo isso.

Depois do ocorrido ninguém mais pôde dialisar. Os pacientes, inclusive eu, fomos remanejados para outras clínicas de Goiânia. Fui para o Hospital Urológico, que me recebeu super bem.

O motivo que nos foi passado, foi que deu uma bactéria na água usada para filtrar o sangue durante o tratamento. E que pode acontecer em qualquer clínica.

Em 37 anos de vida renal nunca vi nada parecido e ver algo assim acontecer em pleno século XXI é desanimador. Agora enfrentamos a incerteza e o medo...

Eu realmente gosto de dialisar na Nefroclínica, uma clínica que escuta o paciente. Com uma estrutura onde os pacientes se sentem bem.

Os médicos e os funcionários estão trabalhando para reparar este dano e hoje a clínica já está funcionando, mas peço mais atenção e cuidado no tratamento da água, nas desinfecções das máquinas e no reuso dos materiais.

Peço não só pela Nefroclínica, mas por todas as clinicas do Brasil.

Vocês estão trabalhando com vidas, com pessoas que querem trabalhar, estudar, querem viver...e todo cuidado é MUITO POUCO em se tratando de vidas!

Meu conselho é que os órgãos competentes responsáveis pela saúde crie um padrão único para clínicas de hemodiálise funcionar. E claro, que esse padrão seja respeitado...

Eu ainda não sei exatamente o que aconteceu no meu "Castelo de Vidro", mas peço à Deus que tenha sido apenas uma triste fatalidade que não vai se repetir. Mas o medo vai ficar aqui, por mais alguns dias...

"Choque ou reação pirogênica* é a reação que o organismo apresenta quando é invadido por endotoxinas (microorganismos que podem ser, por exemplo, bactérias). Ela é caracterizada por respostas agudas como febre, calafrios, tremores, cefaléia, hipotensão, etc. E pode ocorrer por contaminação de soros, diálise, etc."
Torçam por nós,
Beijo*
Lü Sielskis 

10 comentários:

Gi disse...

Amo esse esse blog e ele e muito bem vindo ainda quando nos renais crônicos somos 'invisíveis' ...as pessoas não fazem ideia do que passamos e do que sentir medo todos os dias e não saber se voltaremos vivos de uma sessão...
Aqui também ja presenciei coisas do tipo que felizmente.não houve danos maiores mas que no remetem medo e apreensão ...que possa melhorar cada dia mais a.saúde das unidades de.hrmodialise...precisamos necessitamos desse cuidado!

Luciano Tanus disse...

Lú estamos expostos a isso, mas creio eu q alguém falhou e uma pessoa perdeu a vida... ...falta fiscalização!

Ana Paula disse...

Oi Lu, quando dialisava aconteceu algo parecido nas ultimas semanas, tanto que a clinica teve que ficar fechada por 48h para fazer ajustes em todo o tratamento da agua. Eu transplantei dia 28/2 e fiquei sabendo que uma paciente, amiga minha inclusive, veio a óbito no dia 10/3 com essa reação pirogênica, justamente 2 semanas antes da data programada para fazer os tais ajustes no tratamento de água. "Dizem" que foi uma fatalidade no caso dela, as coisas são muito mal contadas nas clinicas. Os pacientes da minha clinica estão dialisando em outras clinicas, sem exceção, atualmente a clinica mudou de nome e atende somente a convênios... o que dizer sobre isso??? Eu realmente me preocupo muito com a situação, parece que estamos indo para a beira de um colapso. Apesar de ter transplantado, eu me preocupo com todos que dialisam, somos uma familia, só acho que teriamos que ter mais voz. Enfim, sei que estamos espostos a muitas coisas, mas realmente fazer o tratamento ainda com essa sensação de insegurança é pedir muito. Assino embaixo de tudo que você escreveu, é necessário uma padronização e uma minuciosa fiscalização. Grande abraço e que Deus te proteja.

Nanda Campos disse...

Que triste Lu! Você falou tudo - 'em se tratando de vidas, todo cuidado é MUITO POUCO! Deus à frente da sua luta e de seus companheiros, que a fé e a confiança nEle superem o medo e a insegurança de vocês! Beijinho e Deus os abençoe!

Gabi Alberti disse...

Ai Lu!!! Nem sei o que dizer. Só que eu torço por vocês!

Flavia Gaiguer disse...

Lu, vc é uma guerreira. Tb espero que os orgãos responsáveis tomem as providências necessárias. Afinal todo cuidado é pouco. Bjo linda

George Lopes disse...

Bom Lu, lamentável que isto ocorra, remete a tragédias como a da hemodiálise de Caruaru, com dezenas de mortos. Aliás, foi aquele incidente que provocou aumento no rigor quanto as exigências de qualidade da água.
Hoje praticamente todas as clínicas contam com sistemas de osmose reversa que são muito eficientes, se corretamente operados.
Reação desta magnitude só pode estar ligada à agua, que é o unico insumo que é distribuído igualmente paea todas as máquinas.
Deve ter havido uma falha não detectada no sistema e, obviamnete, as responsabilidades deverão ser apuradas.
Sobre o seu comentário a respeito das normas, elas existem, estão reunidas na RDC 11 de 13 de março de 2014 e são bem rígidas, cabendo a fiscalização periódica das clínicas à Anvisa.

Andre chagas disse...

Estamos juntos pode contar comigo abraços...

sergimsp disse...

Pode não ser necessariamente a água. Pode ser um lote de soro contaminado, uma heparina, concentrado de HD, ou uma técnica de reuso inadequada... a água é a principal suspeita, mas eu já vi outras causas.

MARCUS VINICIUS PIRES Pires disse...

Boa tarde sou de manaus . paciente renal a 2 anos.em.um.ano perdi 14 kilos só vinha lanchando a noite seria por isso. fiz todos exames não deu nada