quarta-feira, 21 de abril de 2010

[.Vida REnAL.]

“Meu nome é Henderson, tenho 28 anos e desde 1 ano e meio de idade apresentei diagnóstico de doença renal crônica (glomerulonefrite aguda). A partir daí comecei tratamento ambulatorial e em 1994 me submetí ao primeiro transplante renal tendo como doadora minha mãe. Antes desse procedimento cirúrgico, fiz hemodiálise por mais 6 meses. Após 1 ano tive rejeição e na sequência realizei diálise peritonial ambulatorial contínua - CAPD ,4 vezes ao dia até 1999, quando então realizei o segundo transplante (doador cadáver). A partir daí foi impossível realizar as sessões de CAPD porque apresentei peritonite e então voltei para hemodiálise, onde fiquei até fev 2004 quando realizei o terceiro transplante renal, novamente rim de cadáver. Em 2006 houve novamente a perda do enxerto e desde então venho realizando hemodiálise 3 vezes por semana via cateter devido a impossibilidade de outros acessos. Quando realizei esse último transplante, já havia perdido todos os acessos venosos, ficando impossibilitado de fazer uma fístula.
Sou um paciente hipersensibilizado, ou seja, apresento alto painel de reatividade com anticorpos anti-HLA, como conseqüência dos 3 transplantes prévios e de múltiplas transfusões sanguíneas. Tenho baixa probabilidade de conseguir um doador compatível e alta probabilidade de rejeição ao enxerto.Tenho uma provável doadora viva (tia materna), porém apresento também anticorpos contra os antígenos HLA desta doadora e neste caso, segundo a equipe que me acompanha, há um alto risco de rejeição caso o transplante seja realizado sem nenhum tratamento específico.
Hoje faço hemodiálise 3 por semana, enquanto aguardo iniciar tratamento de dessensibilização, tratamento esse, que tem sido proposto para viabilizar o transplante de órgãos para pacientes hiperssensibilizados.”




...ele continua tentando, continua lutando, continua vivendo... e nos dá um exemplo que para viver, não devemos desistir de nós mesmos...

3 comentários:

Anônimo disse...

História comovente e um exemplo de superação e compreensão. Admiro demais pessoas como você. Confie em Deus sempre, ele tem um propósito para você.

Anônimo disse...

Adorei o post... pode ter sempre pra vermos que existem diferentes casos pra mesma insuficiência.
Parabéns cuma!!!!!

Kalincka Marques Daher disse...

Não consigo não me emocionar com cada um dos meus pacientes. Muito bom trabalho desse blog. Vc é uma querida!